Moxabustão – Renata Pudo

Spread the love


   A moxabustão é certamente a terapêutica chinesa mais antiga, existe testemunho da experiência no emprego de moxa, mil anos antes de Nei Jing (este exite a 3000 aC.)

     As moxas (em chinês Jiu: termo que tem o sentido de “queimar”) permitem, pela combustão de diferentes materiais, excitar os pontos de acupuntura, a fim de regularizar a atividade fisiológica do corpo.
     A Artemísia é o principal combustível utilizado, atualmente observando o mesmo princípio básico, podem-se tomar os raios solares e a eletricidade como fonte de calor.
     A Artemísia, Artemísia vulgaris   ou  Artemísia argyi faz parda da família das Compositae.        É uma planta vivaz, de cheiro penetrante, muito comum na França. Na China, a melhor v, onde em do Hubei onde se costuma colhê-la quando se faz a festa Duan Yang.
Algumas indicações para o uso da moxabustão:
(Aqui são utilizados termos da Medicina Tradicional Chinesa)
1 – Aquecer para dispersar o Vento, o Frio e a Umidade:
Por sua ação de aquecimento, a moxabustão pode restabelecer uma circulação fluida do Qi e do Xue (Sangue), com a finalidade de relaxar músculos e os tendões diminuíndo a dor  ou de reforçar a atividade funcional do trato digestivo.
Portanto, utiliza-se para tratar:
– os Bi devidos ao Vento, Frio e à Umidade
– as dores abdominais, as afecções gastrointestinas, as diarréias, as dismenorréias do tipo Frio.
2 – Reaquecer para favorecer a circulação dos meridianos colaterais:
As propriedades da moxabustão são utilizadas para aquecer os meridianos a fim de regular a circulação do Qi e do Xue e de cessar as dores provocadas por uma estagnação do Qi e dos acúmulos de Xue.
3 – Aumentar o Qi e nutrir o Xue
A ação do moxa é utilizada para curar a debilidade do organismo quanto de uma doença crônica
Contra-Indicação:
– nas doenças febris,
– nas casos de cefaléias (excesso)
– nos casos de Yin vazio e Calor Interno
– em gestantes – principalmente pontos abaixo do abdome e lombosacral
– direto no rosto, nos arredores do orifícios naturais, nas regiões pilosas


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *